catolica2

A Igreja de Cristo é católica (2)

Parte 2 de uma palestra sobre o artigo 27 da Confissão Belga, para o Encontro da Fé Reformada (Recife), no dia 31 de outubro de 2013.

Quando começamos a falar de igreja, nos lembramos de uma coisa muito importante: não é nossa igreja. Isso é verdade quando estamos falando de igrejas locais e quando falamos de igreja católica, universal. A igreja pertence a Deus; ela é a sua possessão particular, e crescendo nesse entendimento, o próprio Deus está ativamente envolvido nessa igreja; sempre trabalhando por ela. Está sempre ocupado com a igreja, mas uma outra coisa que Deus está fazendo com a igreja é ajuntando-a. Nós vemos isso em textos como Efésios capítulo 2. Esse texto fala especificamente sobre a igreja. Ele fala da igreja primeiramente no sentido local, no sentido específico. Afinal de contas, para quem Paulo está escrevendo? Ele está escrevendo exatamente para aquela igreja local, lá em Éfeso. Mas existem pistas no texto que nos apontam para algo maior que Paulo tem em mente; por exemplo, ele fala dos apóstolos e dos profetas; ele fala que eles são o fundamento da igreja; ele fala a respeito desse templo; que a igreja está crescendo, sendo construída, até que ele chegue à presença de Deus. E Paulo conclui tudo isso, chegando ao versículo 22, dizendo: “no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito”. Percebam que tudo isso aqui sugere que existe algo muito maior que Paulo está considerando nessa passagem. Algo que é fundamental nesse texto, que está nos levando a prestar atenção nele. É que esse trabalho é um trabalho de Cristo. Quase todas as coisas que estão sendo articuladas nesse texto, falam de Cristo, como sendo o trabalho dEle. Quase todos os verbos que estão aqui, descrevem o trabalho de Cristo no meio de Seu povo; por exemplo, no versículo 3, é o sangue de Cristo que nos traz para o próprio Cristo. No versículo 14, Cristo é a Paz dos que foram trazidos, e foi Cristo quem derrubou a parede de separação. Cristo, simplesmente acabou de criar um homem no lugar de dois homens; vemos isso no versículo 15. E no versículo 16, é Cristo quem traz essa reconciliação diante de Deus. No versículo 17, Cristo vem e prega paz; no versículo 18, é por meio de Cristo que temos acesso ao Pai. De acordo com o versículo 20, Cristo é a Pedra Angular desse edifício. No versículo 21, diz que é Nele; é em Cristo que todo o corpo está bem ajustado. Vocês percebem que tudo aqui está descrito “em Cristo”! Tudo o que está escrito aqui, aponta para aquilo que Cristo está fazendo. Obviamente, pense um pouco a respeito das palavras do Catecismo de Heidelberg, na pergunta 54: “O Filho de Deus, desde o começo até o fim do mundo, reúne para Si mesmo, de entre todo o gênero humano, uma igreja eleita para a vida eterna, a qual protege e preserva na unidade da verdadeira fé pelo Seu Espírito e Por Sua Palavra”.

Percebam que, no caso da Confissão Belga, não são exatamente estas palavras que estão articuladas; não é isso que diz de forma explícita, mas ela ponta nessa direção quando ela diz que a igreja é uma santa congregação e assembleia. E aqui precisamos ler nas entrelinhas; precisamos fazer perguntas do tipo: Quem reúne a congregação? Quem é que reúne a assembleia? Quem reúne a igreja? Obviamente que as perguntas respondidas pelas Escrituras está muito clara: é Cristo, é Deus, propriamente dito, quem faz esse trabalho.

Isso diz claramente que a igreja não é uma invenção humana. Não é alguém que, do nada, pensa em reunir pessoas e agrupá-las em um local. A igreja é uma ideia de Deus, o ajuntamento da igreja é uma ação de Deus.

Mas o que isso significa para nós, então? Você deve estar escutando isso que acabei de dizer e deve estar pensando: – Está bom! E daí? Será que isso é algum tipo de verdade teológica que precisamos acreditar, mas que é completamente inútil para a nossa vida prática? Então vamos pensar, juntos, um pouquinho a respeito disso: Se Cristo está no centro da tarefa de ajuntar a igreja, precisamos, obviamente, nos perguntar: Por que Ele está fazendo isso? Perceba a imagem que é utilizada para descrever Cristo e a Sua Igreja: Cristo é o noivo; a igreja é a Sua noiva. Incluso dentro dessa ilustração está algo crucial, vital: Cristo ama a Sua igreja! Ele ama a Sua igreja católica, universal, e Ele ama as Suas igrejas locais, onde aquela igreja católica ou universal se manifesta. Agora, pense um pouco mais a respeito disso: – Você ama a Cristo? Você descansa e confia Nele para a sua salvação? Ele viveu e morreu por você! E é você quem abraça essa mensagem do Evangelho, e todas as vezes que você escuta essa mensagem, você crê nessa mensagem? Em relação a Cristo, significa dizer que você está unido a Ele; você tem uma união espiritual e vital com Cristo por meio da sua Fé e do Espírito Santo. Ele é a vinha e você é o ramo a quem Ele ama; você também O amará, você se tornará o alvo do Seu amor, e seu amor crescerá por aquilo que Ele ama. Ele ajunta a igreja, porque Ele a ama. Ele ama a igreja ao ponto de que ela é o tesouro; é a menina dos olhos Dele. Como alguém pode dizer, tendo esse entendimento, que a igreja não é importante ou mesmo desnecessária? Como você pode ser tão despreocupado e achar que a igreja é algo totalmente desnecessário? Aqueles que estão unidos a Cristo, por fé, amarão aquilo que Ele ama; nós desejaremos amar aquilo que Ele ama. E desejaremos crescer na direção Dele, porque a igreja católica ou universal é esse trabalho de Graça divida; ela revela o amor do nosso Salvador para conosco. A igreja é importante; nós queremos e precisamos valorizá-la.

Continua…

Este artigo foi gentilmente cedido por umdiscipulodecristo.wordpress.com.

Share this post