modestia1

Com o que a modéstia cristã se parece – Parte 1

Vivemos em um mundo que está muito preocupado sobre como as mulheres se vestem. Mas, vivemos em uma cultura que não está de forma alguma preocupada com falta de modéstia. CJ Mahaney descreve a imodéstia desta forma: “A imodéstia, então, é muito mais do que vestir-se com uma saia curta ou com um top vulgar; trata-se do ato de chamar atenção indevida para si mesmo. É orgulho, exibindo-se através do que você veste”. E isso pode ser orgulho de sua aparência, do seu gosto, ou do seu poder de compra.

Muitas vezes, as mulheres cristãs são motivadas a serem modestas por um medo de causar cobiça e de se exibirem. Mas, isso é uma compreensão não-cristã da modéstia. É muito fácil tornar a modéstia algo meramente exterior, e cair no legalismo, quando a nossa roupa não é uma expressão de um coração que está apaixonado por Cristo e procura trazer o bem a outras pessoas. O vestir-se com modéstia é motivado por um desejo de trazer glória a Deus e de abençoar os outros.

John MacArthur pergunta: “Como uma mulher discerne a linha algumas vezes tênue entre o vestir-se de forma apropriada e o vestir para ser o centro das atenções? A resposta começa na intenção do coração. Uma mulher deve examinar seus motivos e objetivos da maneira como se veste. Sua intenção é mostrar a graça e a beleza da feminilidade? (…) É revelar um humilde coração dedicado à adoração a Deus? Ou sua intenção é chamar a atenção para si mesma, e ostentar sua (…) beleza? Ou pior, tentar seduzir os homens sexualmente? Uma mulher que é focada em adorar a Deus irá considerar cuidadosamente como ela está vestida, porque seu coração ditará seu guarda-roupa e sua aparência”.

Como mulheres cristãs, o que vestimos deve fluir de um entendimento de que somos criaturas que carregam a imagem de nosso Criador, que criou a beleza; de que somos pecadoras redimidas vivendo em um mundo caído; e de que nós somos servas que precisam estar prontas a fazer as boas obras que Deus preparou de antemão para nós. A modéstia é uma atitude do coração que procura dar glória a Deus, servir os outros, e mortificar-se. Sua expressão mais visível é o que vestimos.

I Timóteo 2:9-10 nos diz para vestir “em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas)”. Tim Challies e RW Glenn escreveram em seu livroModéstia que “Precisamos ter certeza de que a nossa compreensão de modéstia flui do Evangelho e leva ao amor pelo evangelho. Se não for assim, nós teremos errado o alvo e nossa modéstia não é nada virtuosa”.

Então com o que ela se parece? Com o que a modéstia motivada pelo amor a Deus e amor pelos outros se parece? Porque uma vez que entendemos que a modéstia flui do coração e queremos servir a Deus neste caminho, precisamos comprar roupas e nos vestir. Nós precisamos de algumas orientações que nos mantenham dentro dos limites bíblicos, ao mesmo tempo em que permitam a liberdade individual. Então, aqui estão seis características do vestuário modesto para uma mulher cristã.

1. Roupas modestas cobrem

Este é provavelmente o aspecto mais complicado ao tratarmos sobre modéstia, porque envolve alguma liberdade cristã e é uma questão bastante controversa. É também um aspecto da modéstia que envolve algum grau de flexibilidade cultural e cronológica. No Quebec do século XVIII, um padre católico romano lamentou a falta de modéstia das mulheres que viviam ao seu redor. Ele escreveu: “Elas não parecem entender que nada excita as paixões masculinas tanto quanto a visão do proibido tornozelo feminino”. Algo com o qual nós certamente não nos atentamos era uma preocupação real de duzentos anos atrás.

Portanto, há alterações, ao longo do tempo, naquilo que as pessoas consideram modesto, mas se estamos preocupadas com a glória de Deus, não vamos permitir que nossos corpos, que são templos do Espírito Santo, caso sejamos cristãs, tornem-se propriedade pública, por vestirmos roupas reveladoras. E, se estamos preocupadas com o bem dos outros, com o nosso testemunho em um mundo decaído, e com a santidade dos outros crentes, nós não iremos facilitar a lascívia (ou inveja, ou desgosto) por usarmos roupas reveladoras. Agora, a Bíblia não diz o quanto a roupa deve cobrir, nós não estamos estabelecendo uma porcentagem ou direções exatas. Mas a Escritura traça algumas linhas fundamentais – direções implícitas que precisamos seguir.

Quando Adão e Eva caíram, eles fizeram cintas para cobrir sua nudez. Quando Deus confrontou-os sobre o seu pecado, Ele também fez roupas para eles – túnicas para substituir suas cintas –, o que indica que a barriga e as costas não devem ser expostas ao público, incluindo a dos rapazes.

Aqui estavam eles, um casal, as únicas pessoas na terra, e as coberturas que tinham arranjado para si mesmos eram inadequadas. Deus teve que matar um animal a fim de cobri-los, prefigurando o cumprimento da promessa de que Cristo morreria para cobrir suas almas nuas com Sua própria justiça. Portanto, a nossa roupa deve refletir a realidade do evangelho de estarmos cobertas. Se pensássemos mais biblicamente sobre o pecado, nós pensaríamos mais biblicamente sobre a nudez e as roupas. Matthew Henry diz, “as roupas vieram a existir juntamente com o pecado. Não teríamos nenhuma razão para elas… se o pecado não nos tivesse deixado nus”. Nossa roupa deve nos cobrir, e o que nós naturalmente acharíamos adequado muitas vezes não é suficiente.

Através das Escrituras, a metáfora de estarmos vestidas é bela: como crentes, estamos vestidas na justiça de Cristo; como a noiva, estamos vestidas com a beleza; como remidas, estamos vestidas com vestes brancas. A falta de roupa adequada é sempre associada com o paganismo, a apostasia, ou com o retrocesso, e com o julgamento de Deus (Gn 3:7; Is 47:2,3; Jr 13:26, Nm 3:5; Ap 3:18, etc.) Mas os cristãos são um povo vestido, espiritualmente e fisicamente.

Usar roupas inadequadas é negar que você é um pecador e que precisa de um Salvador. Imodéstia é na verdade uma negação do evangelho, e não tem lugar na vida de um crente. Vestir-se com roupas inadequadas é dizer que você não precisa da cobertura de Deus, que você não acha que é pecadora, ou que você está satisfeita em seu pecado. Calvino disse que a falta de modéstia era uma expressão de desprezo pelo Mestre, “que planejou a roupa como um sinal de vergonha”.

Observe por um momento, que a sua filha não precisa ter idade suficiente para entender o sexo e a lascívia, para que possa entender por que a modéstia é importante. As meninas só precisam ter idade suficiente para ler Gênesis 3 em uma Bíblia de narrativas para entenderem por que precisamos de roupas. É primariamente por causa do pecado; hormônios são secundários.

E eles fazem a sua parte. A primeira vez que falei sobre modéstia foi a um grupo de meninas adolescentes, e eu li esta citação de um jovem rapaz: “A única coisa que as mulheres não parecem compreender totalmente é que a tentação da lascívia não para. É contínua. É agressiva. E faz tudo o que pode para levar os homens até a morte. E as mulheres têm uma escolha de ajudar ou impedir o objetivo e propósito da lascívia. Às vezes, quando eu vejo uma menina vestida de forma provocante, eu digo a mim mesmo: ‘Ela provavelmente ainda não sabe que 101 caras vão devorá-la em suas mentes hoje. Mas, talvez ela saiba’. Para ser honesto, eu não sei… Tudo o que eu preciso saber é que a forma como ela se apresenta para o mundo é isca para fisgar minha mente pecaminosa e eu preciso evitá-la a todo custo”.

2.  Roupas modestas incentivam a santidade em vez de tentar à lascívia

A lascívia de um homem não é sua culpa. Há homens lá fora que cobiçam mulheres de burca. Mas você pode ser responsável por incentivar ou possibilitar esta lascívia. Nós não queremos ir nesta direção. Queremos ajudar a detê-la. Nós não queremos estar o mais próximo possível da falta de modéstia sem causar lascívia: queremos fugir à tentação e fugir de ser uma tentação, sem sermos paranoicas ou presas pelo pecado de outras pessoas.

I Coríntios 12:23 diz que às partes do corpo que achamos menos honrosas, devemos dar a maior honra, e as partes que não são decorosas, devemos tratar com maior modéstia”. Observe que nem esta passagem, nem qualquer outra, dá uma lista das partes do corpo que não são decorosas e devem ser cobertas. Mas, ainda que haja alguma liberdade cristã envolvida no quanto de nossos corpos devem ser cobertos, fica óbvio por outras passagens das Escrituras que algumas partes do corpo não devem estar visíveis para qualquer pessoa, mas apenas para o seu cônjuge (e, claro, o médico se você estiver doente).

Mas, em caso de dúvida, adicione mais roupas. Enquanto você não pode cobrir demais, certamente você pode errar na outra direção. Devemos ter o cuidado de nos vestirmos de uma maneira que não inflame a lascívia nos homens que vão nos ver, tanto por amor a eles quanto por estarmos cuidando de nossos corpos como templos do Espírito. Nós não temos que nos vestir de forma que impeça até o homem mais lascivo de pecar – alguém determinado a pecar, independentemente de nossas salvaguardas, não é nossa responsabilidade (vemos este princípio em Dt 22:8.). Temos que tomar cuidado com a forma como nos vestimos, não como néscias, nem como paranoicas, mas como sábias, porque os dias são maus e nós somos chamadas à santidade (Ef 5:15).

Continua…

Original: aqui / Tradução: Arielle Pedrosa / Este artigo foi gentilmente cedido por mulherespiedosas.com.br.

Share this post